Bem-Estar Animal

   

Bem-Estar Animal

Boa tarde meus Queridos e Queridas Leitores. Hoje iremos abordar um tema que está modificando não somente o pensamento do produtor e do consumidor de proteína animal – CARNE – mas também está modificando legislações em relação ao modo de criação de determinadas categorias de suínos, como por exemplo as fêmeas reprodutoras. Já falamos sobre isso e é notório atualmente, que os consumidores de todo o mundo estão cada vez mais exigentes com relação ao bem-estar dentro das criações de animais de produção. Com mais força na Europa, Estados Unidos e Canadá, essas exigências (https://www.suinoculturaindustrial.com.br/imprensa/bem-estar-com-foco-em-qualidade-de-carne/20171009-101851-Y613) começam a também fazer parte da pauta dos consumidores brasileiros. Vislumbrando essa demanda como um valor presente e futuro a ser agregado a marca de produtos cárneos, algumas cooperativas brasileiras investiram fortemente em um projeto ambicioso e moderno, direcionado a atender todos os requisitos relacionados ao bem-estar animal, desde a produção no campo até aos processos de abate no frigorífico. Tais cooperativas se tornaram sócias e construíram uma unidade industrial de abate que é referência em toda a América Latina, tanto em termos de tecnologia aplicada ao processamento da carne quanto em questões relativas aos cuidados essenciais com funcionários e meio ambiente. O resultado de todo esse investimento pode ser visto na qualidade de carcaça e de cortes suínos, assim como na melhoria dos índices de produtividade no campo. Para abastecer o abate diário de três mil animais do frigorífico, as cooperativas investiram em Unidades Produtoras de Leitões (UPL) ou na reestruturação de seus sistemas de integração. Algumas cooperativas optaram por construir UPL com alta tecnologia, com capacidade para alojar 5.500 fêmeas suínas em modelo de gestação coletiva, modelo esse exigido pela Comunidade Europeia para o alojamento das matrizes suínas. O sistema produtivo é totalmente monitorado por câmeras, a partir das quais os clientes podem acompanhar a rotina dos manejos de granja, ao mesmo tempo em que essa medida assegura maior biosseguridade ao plantel, já que restringe ao máximo o acesso de pessoas ao local. O grande desafio não foi o tecnológico, mas sim o de modificar o conceito já arraigado em funcionários e em produtores, que precisaram passar por uma imersão dentro de uma nova forma de compreender os mecanismos modernos de produção do suíno. Isso levará a uma agregação futura muito importante, pois já existe marca de alimentos suínos que se antecipa as tendências de mercado e termina por construir uma estrutura capacitada ao atendimento dos requisitos de bem-estar animal, oferecendo um produto de qualidade Premium ao mercado. Um exemplo disso é a Cooperativa Aurora Alimentos que reforçou sua preocupação com o bem-estar animal em suas cadeias produtivas de aves e suínos, ressaltando ter sido a primeira empresa brasileira (https://www.suinoculturaindustrial.com.br/imprensa/aurora-reforca-sua-preocupacao-com-o-bem-estar-animal/20171130-170910-G464) a aderir ao programa de abate humanitário recomendado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).  A empresa ressaltou que na esfera da avicultura seu compromisso é com o bem-estar das aves e que incentiva projetos de pesquisa de melhores práticas junto a Embrapa e outros órgãos empresariais, governamentais e não governamentais, não possuindo em sua produção, ovos oriundos de galinhas poedeiras em gaiolas. Um levantamento junto aos parceiros comerciais da Aurora também foi anunciado, com o objetivo de atestar com viabilidade e segurança a meta de ovos 100% livres de confinamento. Em relação aos suínos, a empresa assumiu o compromisso de realizar até 2026 a migração do sistema de alojamento de matrizes suínas em gaiolas para o sistema de alojamento em baias coletivas. Para isso, busca promover seus investimentos em novas iniciativas e adequações que aumentem a produtividade neste tipo de produção. A cooperativa afirma estar alinhada com diretrizes em monitoramento, controle e gestão de seus plantéis junto de seu Comitê de Bem-Estar Animal que atua a campo, acompanhando e auditando os processos de criação dos animais com todos os funcionários envolvidos na produção. A empresa afirma ainda emitir notificação extrajudicial com aplicação de penalização pecuniária e medidas corretivas aos agentes da cadeia produtiva que não estiverem de acordo com normas de bem-estar. Dessa forma, podemos perceber que o movimento da produção animal, ou seja, da produção de proteína animal, está se direcionando para a máxima produtividade com o maior bem-estar do animal, pois uma vez que o animal esteja em homeostase (condição de equilíbrio, de bem-estar) o mesmo não está direcionando energia para lutar e ou eliminar agentes estressores e ou invasores. Assim, vamos exigir do mercado e de nossos produtores, uma criação transparente, onde os animais, dentro do processo de criação até o abate, sejam alojados e tratados dentro das normas de bem-estar animal, que significa o respeito ao próximo, não importando se esse é um animal de estimação ou de produção. Então, confiando em nossas empresas, vamos comprar um belo corte suíno e prepara-lo para fazê-lo nesse final de semana que promete ser agradável e com temperatura amena. Vamos lá então tirar aquela receita da memória ou da gaveta. Ou ainda de algum lugar de seu microcomputador! Abraços carinhosos.

 

Filé de Lombo Suíno com Chutney de Manga

O preparo é delicioso e acompanha perfeitamente um arroz branco e uma salada de folhas verdes

  • INGREDIENTES

Para o Lombo:

- ½ kg de lombo de porco (1 peça),

- 3 dentes de alho picados,

- Suco de 1 limão,

- Sal e pimenta a gosto,

- 4 colheres (sopa) de óleo,

- 2 cebolas em rodelas e

- 3 xícaras (chá) de água.

 

         Para o Chutney De Manga:

- 1 xícara (chá) de açúcar,

- 3 colheres (sopa) de vinagre,

- 2 xícaras (chá) de água,

- 2 mangas em cubos,

- 1/2 pimenta dedo-de-moça picadas (opcional).

 

  • MODO DE PREPARO

Em uma tigela, tempere o lombo com alho, suco de limão, sal e pimenta. Deixe na geladeira por pelo menos duas horas antes de começar o preparo. Em uma panela de pressão, aqueça o óleo em fogo médio e frite o lombo até dourar. Reserve. Adicione a cebola e refogue bem. Leve o lombo de volta à panela e acrescente a água. Tampe a panela e deixe cozinhar por 30 minutos depois de iniciada a pressão. Em seguida, espere a pressão sair naturalmente e abra a panela com cuidado. Corte o lombo em fatias e reserve. Para o Chutney de Manga, leve uma panela pequena ao fogo médio com o açúcar, o vinagre e metade da água até que forme uma calda rala. Adicione a manga, a pimenta (se desejar), o restante da água e misture bem. Desligue o fogo. Distribua sobre o lombo cortado em fatias e sirva. Então.... Bom apetite!