A postura do crente como cidadão dos céus

   

A postura do crente como cidadão dos céus

Como discípulos de Cristo, é nos exigida uma postura que manifeste o Reino, de Deus em todas as instâncias de nosso viver numa sociedade politicamente organizada. Por conseguinte, fujamos tanto do ativismo político como do conformismo escatológico.

Ativismo político. O ativismo é uma postura que apregoa a utilização de medidas extremas, visando mudar a ordem estabelecida. Tal comportamento é condenado pela Bíblia Sagrada que, energicamente, demanda a que obedeçamos às autoridades (Rm 13.1-6). No entanto, desobrigamo-nos desse compromisso se as autoridades, extrapolando suas competências legais, coagem-nos a negar a fé em Cristo (At 4.19). Leia as seguintes passagens: Daniel 3.12-18; 6.10-16.

Conformismo escatológico. É a atitude inerte e alienada que muitos crentes, interpretando erroneamente certas passagens da Bíblia, utilizam-se para alegar: “Nada podemos fazer para melhorar a nação porquanto estamos no final dos tempos. E se Cristo está às portas, por que nos preocuparmos com o que ocorre ao nosso redor?” Entretanto, o patriarca Noé proclamou a justiça de Deus, mesmo sabendo que toda a sua geração estava condenada a perecer no dilúvio (II Pe 2.5). Sal da terra e luz do mundo, é a nossa missão impedir que a sociedade degenere-se irremediavelmente (Mt 5.13,14). Que o Senhor breve virá, não há dúvida; as profecias se cumprem e os sinais tornam-se cada vez mais visíveis. Todavia, enquanto Ele não vem, anunciemos a sua Palavra.

A missão profética da Igreja. Ora, se a Igreja de Cristo não deve envolver-se com o ativismo político nem cair no comodismo escatológico, como agiremos? É mister que nos lembremos ser a nossa missão atuar de forma profética, a fim de conscientizar este mundo não apenas do poder do Evangelho, mas também da justiça de Deus. Os profetas do Antigo Testamento madrugavam para anunciar o juízo de Deus (Jr 7.13; 11.7). E o brado de Jonas contra Nínive? (Jn 3.4,5). João Batista condenou a iniquidade social da nação, buscando conduzi-la nos caminhos de Deus (Lc 3.10-14). Atuar profeticamente significa pregar a Palavra de Deus em toda a sua plenitude na unção do Espírito Santo.

Motivos de intercessão pela pátria

Atentemos aos motivos que nos reclamam, urgentemente, as orações.

Preservação da vida e valores cristãos. Tendo a Bíblia como a nossa única regra de fé e prática, somos contra as tentativas dos legisladores que, desprezando a fé cristã, buscam aprovar leis, contrariando o que está registrado nas escrituras.

Conservação das liberdades democráticas. Oremos, portanto, a fim de que o nosso presidente tenha a necessária força moral para reprimir a corrupção, promover o bem comum e manter as liberdades individuais e civis.

Vinda de um grande avivamento. Damos graças a Deus pelo Avivamento Pentecostal que, trazido no início do século passado ao Brasil, mudou radicalmente a nossa história. Mas ainda não estamos satisfeitos; há muitas áreas a serem alcançadas; a tarefa, inacabada (Hc 3.2).

preliasdias@gmail.com